A escola

No final da década de 40, o então governador da Bahia, Otávio Mangabeira, solicitou ao seu Secretário de Educação e Cultura Anísio Teixeira, que elaborasse um sistema para resolver a crescente demanda por vagas nas Escolas Públicas.

Paralelamente, àquela época precisava-se urgentemente de novos currículos, novos programas e novos professores. Anísio Teixeira providenciou tudo num trabalho hercúleo de quase 16 horas por dia. Conseguiu criar a primeira célula – o modelo de Salvador – e a denominou de Centro de Educação Popular. Para ele, este Centro deveria ser a primeira demonstração da passagem da escola de poucos para a escola de todos.

A intenção de Anísio Teixeira era que fosse instalados, inicialmente, sete sistemas semelhantes que seriam localizados nos bairros mais carentes de Salvador. O primeiro esquema para a distribuição destes núcleos previa, para Salvador, sete escolas. O primeiro Núcleo foi construído no bairro da Caixa D´Água, bairro popular de Salvador, que tinha grande concentração de menores sem escola e até mesmo menores abandonados. Esta ainda é a realidade deste bairro.

O espaço para a construção do Centro foi definido através de um convênio entre o Governo Federal e o Governo do Estado da Bahia através da Secretaria da Educação. Nesta negociação coube ao Governo do Estado a cessão do terreno, cabendo ao Governo Federal a manutenção da Escola e o pagamento dos professores, todos em regime de dedicação integral. Após alguns anos, o Centro passou a ser mantido exclusivamente pelo Governo do Estado da Bahia.

O Centro Educacional Carneiro Ribeiro idealizado e planejado por Anísio Teixeira, quando Secretário de Educação do Estado da Bahia (1947-1950) e diretor do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – 1951-1964), com a finalidade de proporcionar uma educação em tempo integral às crianças e adolescentes da região do bairro da Liberdade e adjacências. Neste contexto, as Escolas-Classe I, II, III e IV e o Colégio Estadual Álvaro Augusto da Silva, o qual incorporou-se ao programa de educação integral do Centro a partir do ano de 2002, quando da reinauguração e revitalização do Centro pelo Governador da Bahia, Paulo Souto, aspecto este que inaugura um olhar de ressignificação do funcionamento do Centro no que concerne a criação de novos núcleos e dinâmicas das vivências efetivadas na Escola Parque, valorando os pressupostos anisianos e as demandas do contexto social atual.

As Escolas-Classe e o Colégio Estadual Álvaro Augusto da Silva visam a realização de um trabalho pedagógico de qualidade com o objetivo de atender aos educandos do bairro da Liberdade e adjacências nos turnos matutino, vespertino e noturno, nos níveis de Ensino: Fundamental Regular, Médio Regular, Educação de Jovens e Adultos e Tempo de Aprender, conforme dados explicitados na tabela de Identificação do Centro.

O Centro oferece ao educando, na atualidade, em ano letivo, dias inteiros em atividades divididos em dois períodos: um turno seguindo a matriz curricular do núcleo comum e diversificada, nas Escolas-Classe e o Colégio Álvaro Augusto da Silva; e, em turno oposto, o aluno desenvolve atividades da parte diversificada do Currículo, efetivadas através dos seguintes Núcleos da Escola Parque: Informação, Comunicação e Conhecimento; Núcleo de Pluralidade Artística; Núcleo de Pluralidade Esportiva; Núcleo de Artes Visuais; Núcleo de Jardinagem; Núcleo de Alimentação; e Núcleo de Projetos Especiais.